Skip to content

confissões em 6 de junho

Um blog é um blog. Não é um diário, não é um confessionário. É um suporto público, quase uma vitrine. Minha insistência em fazer blogs há pelo menos 1o anos é a simples necessidade de ser lida. Uma necessidade que é, claro, uma vaidade.

Sei que posso me expressar bem. Falo bem, mas escrevo melhor ainda. Tenho esse privilégio e gosto dele. Gosto também de ver como outas pessoas também se expressam bem com as palavras, como conseguem arrancar tumores de dores existências de si com este meio de expressão.

A palavra é minha liberdade e minha prisão.

Faz um tempo que não posto nada aqui no Prodigiosas Alfaces. Mas hoje quis, quis muito. Porque estou apaixonada e estou só. Pois amo e recebo palavras de reciprocidade esvaziadas de atos.

Momento pop, me sinto como Zoe Deschanel

Mais uma vez. Dançando o amor solo.

 

Cais

Eu planejo pouco e mal. Tenho um traço mal traçado na mente e vou, meio me perdendo, meio me guiando. Pergunto muito para os outros onde estou, para onde vou. Mas, no final, são as minhas pernas e a intuição que me encaminham. Já me encontrei em becos no centro de SP que me pareceram o Haiti pós-terremoto. Já cai em antiquários onde famílias pós-ricas faziam inventários. Já fui ao teatro com um hippie na rua, já andei no cais do porto. A gente segue, meio inseguro, meio rindo. Se te parar para perguntar algo, não me mande para onde vc não iria comigo.

O que ouço

A vida como spoiler: Reflexões sobre KES de Ken Loach

kes_1

Me perguntaram numa rede social se já havia visto Kes. Claro que já vi Kes! Vi e ainda não me recuperei muito bem. Vou usar o Imdb para resumir a história: A young, English working-class boy spends his free time caring for and training his pet falcon. É isso, working-class boy, working-class hero. Billy só tem uma coisa a favor dele: a infância. Como um working-classe boy da década de 1960, Billy tinha a liberdade de perambular. Sempre foi perigoso, mas se ignorava isso com mais frequência.  A liberdade, a curiosidade e inteligência o levaram ao encontro com Kes, um falcão.

Até este momento, Billy é um estorvo para todos: colegas, família, escola. Mas o encontro com Kes é o seu voo para a humanidade plena. E, daí, me peguei não mais me comparando com Billy… mas com o seu professor. Sim, o filme evoca a figura do professor que não é um peso-morto na vida de um working-class boy.

‘Como estrelas na terra’, ‘Sociedade dos poetas mortos’, ‘Escritores da liberdade’. Histórias reais ou fictícias. Há sempre o professor salvador de almas, almas sedentas por conhecimento mas que eram mal compreendida, subestimadas, mimadas. O professor, essa figura com uma vocação para o martírio profissional… que pega os alunos pela mão e os conduz… zzzzz….

Em Kes, o professor percebe que Billy tem um tesouro escondido. E observa o garoto que não é ninguém excepcional… é um working-class boy, que será working-class e fim. Ele vê o garoto apaixonado pelo conhecimento… um conhecimento que lhe interessa porque é maior do que ele. Todo menino é um rei.  Billy é rei com Kes. Nada de working-class… Billy e Kes são senhores de seus territórios, não há fronteira e o horizonte é todo deles. Porque na infância a gente se deixa voar assim… E o professor teve esse olhar. ‘Aluno como protagonista do próprio conhecimento’… Rapaz, a gente tem que ser protagonista da nossa vida para depois sermos protagonistas do nosso conhecimento! E Billy chega a isso observando a natureza. Não tem coisa que expressa melhor o sentido da vida do homem no mundo do que isso. A gente é natureza, tem que ser natureza. O professor pede para Billy dar uma aula sobre tudo o que ele aprendeu sobre Falcões. Billy dá a aula… não de maneira professoral, porque ensinar não é nada de mais… não te faz especial. Ensinar é humano, demasiadamente humano. Tem a ver com toque, contato, voo. Billy entendeu tudo, o professor entendia com ele… a sala fica pasma frente ao garoto que não era bom em nada… working-class hero, working-class kes.

Só que existe algo… não é determinismo. É vida. É a vida do working-class boy que precisa se tornar working-class. Kes se torna ‘just a bird’. A gente é estapeado pela mãe de Billy como esta ‘verdade pragmática’. Como fomos estapeados pelas nossas mães em alguns momentos ou por algum chefe no trabalho ou pela escola. O normativo, o esperado, como temos que ser e nos conduzir. Não há espaço para Kes. Kes e sua grandiosidade divina vão para o lixo. Porque é ali que o que há de grande em nós vai parar para quem é do working-class. O professor? Ah, o professor… ele não tem como parar isso. Ele é SÓ um professor, sabe? Não é onipresente, onipotente e nem oniciente. Você pode fazer o exercício e pensar que o professor consolaria Billy, faria ele procurar treinar outro falcão e zzzzzzz… O professor não dá conta de Billy-Kes. Nunca dará.

É Billy que pegará o corpo de Kes e lhe dará dignidade. A dignidade do funeral. Isto, que herdamos dos primeiros homens. Somos seres-humanos e como tais enterramos nossos mortos. Porque não somos indigentes, nem um indigente é indigente. É preciso um rito, uma despedida, um encerramento. Billy enterra à Kes. O rito é uma resistência. Não somos enterrados nele, recusamos que Billy-Kes vá ao lixo.

Mas, quá, despertei.

Desejo essa música ao futuro

O melhor

Agir, agir, agir, pensar rápido!!

Foi numa propaganda de perfume que vi? Acho que já tinha essa imagem na cabeça há alguns anos, não tantos: desvencilhar-me.

Desfiz-me, eu que fui nó.

Meus braços, livres. Meu cabelo, solto. Minhas pernas, fortes.

E corro para além do que eu mesma esperava de mim.

Não me esforço, me revelo. Faço meu melhor e depois me retiro.

Sou lenta, sonolenta, terna, eterna em mim mesma.

Não tenho obrigação de ser. Sigo viva para além.de.vc.

Sereiando

Você não me perguntou, nêga, mas eu acho é que a gente devia era andar descalças e, de pé sujo, rasgar esta cidade.

Abrir os braços… como rainhas, ter ouro em nossa pele, crescer, gigantes…Monstruosamente japonesas, deusas, deusas… com muitos braços a abraçar e destruir e amar e carpir.

A gente, é!, devia ficar pequeninha. Menina. Inha. Inha. E ver a vida da janela, namoradeira. Cachos e cachos. Despenteadas em flor. Rir e rir, neguinha.

Eu acho, só acho, que a gente tinha é que morar no mar. Sair e voltar. Sem esperar. Levar com a gente quem quiser ir. Deixar quem não se deixa iludir. Sereiando por ai, na carícia da onda.

Eu só quero, e como quero, fundir-me com o bem e a beleza de tudo isso. Seria bacana, nêga, se viesse também. Mas eu acho. Só acho. E, como disse, você não me perguntou nada mesmo.

W., com amor.

Eu sai, corri. Muito rápido. Rápido demais para você.

Cheguei antes, cheguei sozinha.

Não sei. Não sei porque achei que você estaria me esperando na suposta chegada.

Você não estava lá quando cheguei. Não estava perto. Nem de longe eu podia te ver.

Eu que achava que você corria mais ou tanto quanto eu.

Eu me enganei.

Saudadinha

Como era melhor antes, com a não-resposta havia a expectativa do encontro. A saudade das palavras trocadas, lidas, faladas. O telefonema que lhe dava era um troféu diante da dúvida. Éramos mais próximos quando não podiamos ser realmente. Quando se facilita, poucas são as palavras de troca. ‘Os homens são assim’. Sinto sua falta…. E você está de boa.

Mesmo sabendo que não somos suficientes um para o outro… Não consigo achar que a certeza da futura aproximação justifique a distância cotidiana.

O fim do todo de tudo no mundo

Se tudo acabasse hoje, ah, se tudo do todo do mundo acabasse… já teria valido a pena. E o fim, que virá e um dia será presente, não deverá ser temido. Já valeu a pena. Tudo do todo. Eu e todo mundo. O mundo todo eu, valeu a pena. Porque, apesar do mal, nós vencemos.

Para parar o trem...

Boas idéias para fugir dos grandes agitos...

coisas do mundo minha nega

palavreando o que a vida canta

Leonardo Boff

O site recolhe os artigos que escrevo semanalmente e de alguns outros que considero notáveis.Os temas são ética,ecologia,política e espiritualidade.

Errâncias

de um quixotismo literário

♃, ♄

júpiter, saturno

Pedra Sobre Pedra

Um blog para memória e reflexão, com outro olhar sobre as coisas do cotidiano.

Caravana do vento

Aulas de Dança Cigana em São Paulo

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.